CASA DE MÁQUINA

Uma história sobre amar sua própria companhia.

Por Vergilio Lopes

CASA DE MÁQUINA

Em um deserto antigo…

Certo dia, um jovem inventor, encontrou uma pedra oca incrivelmente resistente. A Rocha possuía um brilho interno próprio e gerava sua própria energia.

O jovem, sem pensar, fez ali sua casa e laboratório.

 

Por ali havia uma alegria sutil, que se misturava com uma nostálgica solidão.

Sempre havia um Jazz suave no rádio, um achocolatado gelado e o  cheiro do óleo de máquina.

 

Não sonhava com companhia, não sonhava com grandes amores, apenas queria ser ele.

Possuía um brilho interno próprio e gerava sua própria energia.